Nova Zelândia é considerado o país menos corrupto pelo terceiro ano consecutivo

O governo da Nova Zelândia foi classificado como o mais baixo do mundo em corrupção, de acordo com o órgão de vigilância da corrupção "Transparency International".


A Nova Zelândia marcou 88 de 100 no Índice de Percepção de Corrupção, compartilhando o título de melhor classificado com a Finlândia e a Dinamarca.

Os resultados, divulgados na última terça-feira, são da Transparency International, um órgão de vigilância da corrupção que coleta dados de 13 fontes diferentes para construir o Índice de Percepção da Corrupção, um ranking de corrupção de 180 países.


Essas fontes incluem organizações internacionais como o Fórum Econômico Mundial e o World Justice Project – que pesquisam o público em geral desses países, especialistas como acadêmicos, advogados e economistas.


Várias pesquisas são feitas por essas organizações e especialistas para avaliar quão comum é a corrupção entre funcionários do governo e funcionários eleitos.


Isso inclui suborno, peculato, nepotismo e conflitos de interesse.


As pesquisas também analisam se há consequências e quais são essas consequências.


As perguntas nessas pesquisas incluem: “Em que medida os titulares de cargos públicos que abusam de seus cargos são processados ​​ou penalizados?”


E: “Até que ponto os titulares de cargos públicos são impedidos de abusar de sua posição para interesses privados?”


A Transparency International então reúne os resultados da pesquisa para descobrir a classificação dos países.


Julie Haggie, executiva-chefe da Transparency International New Zealand, diz que a Nova Zelândia teve uma boa pontuação geral, mas perdeu alguns pontos na pesquisa do Fórum Econômico Mundial – particularmente na seção que analisa quanto dinheiro o governo paga a empresas, indivíduos e grupos.


“É possível que essa pequena queda reflita a preocupação geral em toda a Nova Zelândia sobre a quantidade de financiamento que está sendo distribuída em ritmo e sob condições extraordinárias como parte do Pacote de Resposta e Recuperação Covid-19 de US$ 54 bilhões”, diz Haggie.


“Existe uma transparência razoavelmente boa sobre a intenção dos gastos, mas a confiança e a confiança do público se baseiam em como isso se desenrola em termos de uso real, práticas de compras justas, boa auditoria e a tomada de decisões que levaram aos gastos.”


A análise do comentarista econômico e político Bernard Hickey descobriu que os gastos de alívio da Covid-19 da Nova Zelândia ajudaram a enriquecer os proprietários de residências e empresas em US$ 952 bilhões, enquanto os mais pobres têm mais US$ 400 milhões em dívidas e precisam do dobro de pacotes de alimentos.


Um mapa colorido dos níveis de corrupção de diferentes países. Quanto mais profundo o vermelho, maiores as taxas de corrupção. Foto: Índice de Corrupção 2021, Transparência Internacional.


Haggie diz que o índice leva em consideração o Covid-19 em sua seção de direitos humanos, mas isso se concentra principalmente em violações como governos que têm ativistas e jornalistas assassinados.


“Países com liberdades civis bem protegidas geralmente pontuam mais alto no Índice de Percepção de Corrupção, enquanto países que violam as liberdades civis tendem a pontuar mais baixo”, diz Haggie.


Nova Zelândia, Finlândia e Dinamarca pontuaram 88 de 100.


O Reino Unido ficou em 11º lugar com uma pontuação de 78, a Austrália ficou em 18º com uma pontuação de 73 e os Estados Unidos ficaram em 27º com uma pontuação de 67.


Fonte: https://www.renews.co.nz/aotearoa-ranked-least-corrupt-country-in-the-world/